Skip to content

As primeiras reprovações de prestação de contas do ex-prefeito Vilson Andrade: 183 municípios do Maranhão estão proibidos de conveniar com o governo do estado

24/01/2017

Se as festas carnavalescas acontecessem nos próximos dias, 183 municípios maranhenses estariam impedidos de conveniar com o governo do estado e, desta forma, obter recursos para a realização do período momesco.

A lista com os nomes das cidades está disponível no portal do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (www.tce.ma.gov.br ).

A situação dos municípios foi considerada irregular devido a problemas relacionados ao Portal da Transparência.

Enquanto alguns, sequer, possuem a ferramenta exigida em lei, outros não se adequaram aos critérios estabelecidos pela Corte de Contas, quais sejam: existência do site eletrônico, nome padrão, tempo real atendido e padrão mínimo de qualidade.

O presidente do Tribunal, conselheiro José Ribamar Caldas Furtado, foi enfático ao afirmar que os municípios que estão na categoria irregular, caso não se adequem as normas estabelecidas, não poderão conveniar com o governo do estado para receber recursos para realização do Carnaval, por exemplo.

“Este será o primeiro Carnaval da Transparência. Aquele que não se adequar ao que é exigido pela Lei de Responsabilidade Fiscal, estará impedido de conveniar”, declarou Caldas Furtado ao titular do blog.

O presidente informou ainda que, caso haja descumprimento, governo do estado e o município que obtiver o convênio serão rigorosamente punidos.

O conselheiro explicou que o objetivo do TCE não é penalizar a cidade ou gestor, mas fazer com que os dispositivos de transparência sejam cumpridos.

Ele afirmou que os prefeitos (eleitos e reeleitos), cujos municípios estão nesta situação, podem procurar a Corte de Contas e obter informações detalhadas sobre como se adequar.

“Possuímos corpo técnico qualificado para orientar o prefeito e ajuda-lo a se adequar ao que determina a lei. Queremos contribuir com as administrações e precisamos que elas tenham esse interesse recíproco”.

Municípios que hoje, segundo o TCE, estão aptos a celebrar convênios: Açailândia, Apicum- Açu, Arari, Barão de Grajaú, Barra do Corda, Bom Lugar, Buritirana, Cantanhede, Caxias, Cidelândia, Codó, Coroatá, Dom Pedro, João Lisboa, Lago dos Rodrigues, Matinha, Matões do Norte, Monção, Olho D’água das Cunhas, Passagem Franca, Pedreiras, Poção de Pedras, Raposa, Ribamar Fiquene, Rosário, Santo Antônio dos Lopes, São Bernardo, São Domingos do Maranhão, São Luís, São Mateus do Maranhão, Timbiras, Trizidela do Vale, Tuntum, Viana.

A conspiração da história afastou magistrado com senso de Justiça

20/01/2017

O CONSPIRADOR MAR DE PARATY

O mar de Paraty está para a política brasileira como o Triângulo das Bermudas esteve para o imaginário norte-americano nas décadas de 1960 e 1970.

Se naufrágios e desaparecimentos de aeronaves na região das Bermudas, na América do Norte, embalaram o folclore pós incidente de Roswell e marcaram uma geração que lia Seleções do Reader’s Digest e acreditava na existência de conspirações extraterrestres para subjugar a supremacia humana na Terra, haverá quem enxergue nas tragédias aéreas ocorridas nos últimos anos entre o litoral sul do estado do Rio de Janeiro e o norte de São Paulo uma conspiração da História contra nossa consolidação como nação democrática.

De 1992 para cá morreram naquela região, sempre em acidentes aéreos resultantes de voos empreendidos em dias de chuva intensa, Ulysses Guimarães, Eduardo Campos e Teori Zavascki.

Ulysses, cujo corpo jamais foi encontrado, sumiu no mar junto com a mulher, Mora, e mais um casal de amigos pouco mais de um mês depois de consumado o primeiro impeachment de um presidente da República levado a cabo em todo o mundo: o de Fernando Collor.

Arquiteto do processo de abertura política do Brasil, Ulysses havia sido um dos maiores artífices da redemocratização nacional e tornou-se fiador da queda de Collor. Estava reservado a ele o papel de Conselheiro Supremo do governo Itamar Franco, que ora se iniciava naquele outubro de há 25 anos. Numa manhã de borrasca o mar de Paraty tragou a memória republicana e a consequência nata de homem de Estado que residiam juntos em Ulysses Guimarães.

Há menos de 3 anos, numa tragicamente inesquecível manhã chuvosa e fria de agosto, caiu em Santos o jatinho em que viajavam o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e parte da equipe que o acompanhava nas viagens empreendidas pelo país. Haviam apenas iniciado uma campanha à Presidência marcada até ali por engenhosa construção de amplitude política e vigorosa semeadura de esperança. O jovem político pernambucano foi a mais habilidosa liderança forjada pelas urnas depois da ditadura militar. Era o único político capaz de efetuar, naquele momento, uma transição pacífica entre os tucanos do PSDB, determinados a voltar ao poder mas carentes de votos, e os petistas que dominavam o Executivo federal desde 2003 com a ascensão de Lula e a confirmação de sua popularidade nas urnas de 2006, 2010 e 2014.

Com Eduardo Campos morreu a possibilidade de transição suave e gregária entre esses dois pólos partidários do Brasil, separados por um PMDB que ora adere a um deles, ora a outro, e que sempre ficou à espreita para tomar de assalto os postos-chave da máquina pública. E isso enfim aconteceu em junho do ano passado, na esteira da deposição de Dilma Rousseff. A presidente deposta se ressentiu da habilidade revelada por Campos em 2005, quando foi um dos generais de Lula na luta contra um golpe da oposição que se urdiu no Congresso e foi debelado com maestria nos bastidores.

Ontem o mar de Paraty selou a biografia de Teori Zavascki, dando a ela um desfecho inesperado e abreviando a trajetória de um dos mais relevantes juristas contemporâneos do país.

Um entre os 11 ministros do Supremo Tribunal Federal, Zavascki sabia se conservar austero nas palavras num plenário em que passamos a assistir, nos últimos anos, a espetáculos deprimentes de provocações e arrivismos entre juízes.

Magistrado que sabia o valor e a eloquência dos autos, evitava antecipar votos ou desperdiçar palavras na mídia: pronunciava-se por meio das sentenças e dos despachos.

Senhor dos ritos e dos procedimentos dos processos que lhe cabia julgar, soube ter a dimensão de seu papel na História e puxou as orelhas até de candidatos a santos e a beatos, como Sergio Moro, quando este estraçalhou a impessoalidade e a moralidade da toga e agiu como protagonista da cena política divulgando ilegalmente e ao atropelo da decência conteúdos de conversas telefônicas captadas entre uma presidente da República e um ex-presidente.

Teori tornava grandes seus pequenos gestos. E conferir normalidade à missão gigantesca da qual estava incumbido – a de relatar os processos da Lava Jato no que tangia àqueles réus com prerrogativa de foro – era um comportamento diferente e salutar numa Brasília povoada por alpinistas biográficos.

A grande conspiração da História nesse enredo até ontem improvável da morte de Teori Zavascki foi a de privar o Brasil do julgamento de um juiz que se pronunciava com o senso de Justiça a lhe governar a alma, e não como auxiliar da promotoria dos justiçamentos fáceis de quem busca apenas escutar o senso comum. Teori parecia ter a coragem singela de ser ele mesmo em suas sentenças, e não aquilo que esperavam dele. Isso o tornava diferente. E gigante.

Sobre o autor
Luís Costa Pinto

Luís Costa Pinto, 48, é jornalista. Graduou-se na UFPE em 1990. Começou no jornalismo em 1988 no Jornal do Commercio do Recife. Trabalhou em redações de “Veja” (1990-96), “O Globo” (1997-98), “Folha de S.Paulo” (1997-98), “Época” (1998-2001) e “Correio Braziliense” (2001-02). Atuou como repórter especial, editor, chefe de sucursal no Recife e em Brasília e editor-executivo. Em 1992 recebeu os prêmios Líbero Badaró e Esso de Jornalismo por reportagens como “Tentáculos de PC”, “Pedro Collor Conta Tudo” e a cobertura do “Caso PC”. Em 1993 recebeu, junto com o jornalista Luciano Suassuna, o prêmio Jabuti de melhor livro-reportagem por “Os Fantasmas da Casa da Dinda” (Ed. Contexto). Desde agosto de 2002 é sócio da consultoria Idéias, Fatos e Texto, empresa especializada em consultoria de comunicação, análise de cenários e marketing político. De 2013 a 2016 foi também vice-presidente do Grupo PPG (holding de agências de publicidade e live marketing).”

Preso assaltante de banco de mais de oito cidades, incluindo os bancos de Gonçalves Dias

19/01/2017

Alvo que participou em 08 (oito) assaltos a banco no Maranhão é preso pela SEIC.

Operação da Polícia Civil por intermédio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais SEIC, prendeu hoje na cidade de Governador Archer- MA em cumprimento aos mandados de prisão o assaltante de banco ANTONIEL SILVA LIMA, vulgo CARA DE BABUINO, nascido em 10.01.1980. ANTONIEL tem participação direta nos assaltos praticados em face da agência do Banco do Brasil da cidade de Timbiras no dia 27.08.2015, assalto a agência do Banco Bradesco da Cidade de Gonçalves dias no dia 14.01.16, assalto a agência do Banco do Brasil da cidade de São Domingos ocorrido no dia 08.06.16, assalto a agência do Banco do Brasil da cidade de São Mateus ocorrido no dia 08.07.16, a agência do Banco do Brasil da cidade de Gonçalves Dias ocorrido no dia 22.07.16, assalto a agência do Banco do Brasil da cidade de Coelho Neto ocorrido no dia 13.08.16, assalto a agência do Banco do Brasil da cidade de Governador Eugênio Barros ocorrido no dia 22.10.16 e assalto ao Carro Forte da empresa prosegur ocorrido no dia 01.11.16 na cidade de Coelho Neto.

SEIC.

buscar Contato Zeca Soares é jornalista e radialista E-mail: zecasoares@mirante.com.br Whatsapp: (98) 981148316 Frase do dia “Esperar menos não significa desistir. Antes se surpreender, do que se decepcionar”. Clarice Lispector Publicidade Publicidade Publicidade Publicidade Rádio Mirante AM Facebook Newsletter Cadastre seu e-mail e receba as últimas atualizações do blog Blogs Acelio Trindade Ana Paula Caio Hostílio Diego Emir Gilberto Léda Gláucio Ericeria Jorge Aragão Juraci Filho Ludwig Almeida Marcelo Vieira Marco D’Eça Maurício Araya Robert Lobato Ronaldo Rocha Vandoval Rodrigues Zeca Soares Sites Assembleia Legislativa Câmara dos Deputados CBF Detran Famem FMF G1 Globoesporte Governo do Maranhão Imirante Jucema Ministério Público Federal Ministério Público Maranhão OAB Maranhão Prefeitura de Ribamar Prefeitura de São Luís Rádio Mirante AM Reino Infantil Sebrae Senado TCE TJ TRE TSE UFMA No Twitter Siga as notícias do blog Comentários Dejiejigui.com em Nhozinho Santos tem reforma concluída Alfredo em Sem palavra Joaquim em Herança de Roseana MARIA em Acima do piso Raimundo Nonato Lima Moraes em Queda de Flávio Dino Calendário JANEIRO 2017 S T Q Q S S D « dez 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Editorias Americano Bacabal Basquete Beach Soccer Campeonato Maranhense Carnaval Chapadinha Charges Copa do Brasil Copa do Mundo Cordino Educação Esporte Fique sabendo… Futebol Futsal Fórmula 1 Governo Iape Imperatriz Jogos Escolares JV Lideral Libertadores Maranhão Moto Música Nacional Notícias Polícia Política Sampaio Santa Quitéria Seleção Brasileira Sem categoria São José Série A Série B Série C Série D Taça Cidade Troféu Mirante Variedades Viana Vídeos Vôlei OAB contra aumento

16/01/2017

A Ordem dos Advogados do Brasil no Maranhão (OAB-MA) ingressou com duas ações na Justiça contra Lei 223/2016, aprovada pela Assembleia Legislativa em dezembro do ano passado, por 26 votos a favor e 8 contra e sancionada pelo que governador Flávio Dino (PCdoB) e que aumenta as tarifas de energia elétrica, preços da gasolina, do etanol, telefonia e TV por assinatura, a partir do reajuste de alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

A primeira ação da OAB foi uma ação direta de inconstitucionalidade com pedido de liminar no Tribunal de Justiça e uma Ação Civil Pública, também com pedido de liminar e a segunda foi ingressada na Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís.

A partir de março, quem consumir até 500 quilowatts-hora por mês pagará não mais 12% de ICMS, mas 18%. E quem consumir acima de 500 quilowatts-hora/mês, a alíquota do imposto subirá de 25% para 27%. Com o aumento, o Governo do Maranhão terá mais R$ 250 milhões no caixa.

Para que não caia no esquecimento é sempre bom lembrar como os deputados votaram.

Votaram a favor do aumento 26 deputados: Ana do Gás (PCdoB), Bira do Pindaré (PSB), Othelino Neto (PCdoB), Francisca Primo (PCdoB), Cabo Campos (DEM), Carlinhos Florêncio (PHS), Levi Pontes (PCdoB), Edivaldo Holanda (PTC), Edson Araújo (PSL), Fábio Braga (SD), Fábio Macedo (PDT). Rigo Teles (PV), Valéria Macedo (PDT), Roberto Costa (PMDB). Graça Paz (PSL), Vinícius Louro (PR), Rogério Cafeteira (PSB), Zé Inácio (PT), Rafael Leitoa (PDT), Hemetério Weba (PV), Marco Aurélio (PCdoB), Sérgio Frota (PSDB), Ricardo Rios (SD), Léo Cunha (PSC), Júnior Verde (PRB) e Stênio Rezende (DEM).

Contra o aumento apenas 8 deputados: Adriano Sarney (PV), Eduardo Braide (PMN), Max Barros (PRP), Andrea Murad (PMDB), César Pires (PEN), Wellington do Curso (PP), Sousa Neto (Pros) e Edilázio Júnior (PV).

Zeca Soares.

Aumentos de até 3000% para mídia, 41% pro Judiciário e dar 2 trilhões aos ricaços do país, esse é o “país quebrado” pelo PT?

12/01/2017

capa-nova-materia

Falando Verdades – A tal “herança maldita” do PT, não alcança setores da sociedade que não sabem nem o que seria crise, entre eles as teles, perdão de dívidas de grandes empresas, perdão de dívidas de donos de grandes terras e aumentos de mais de 3000% em alguns casos para alguns veículos de mídia.

Anistia ás teles-105 bilhões

100 bilhões, que podem chegar a 105 bilhões como mostra o jornal O Dia

Perdão de 900 bilhões para grandes empresas

Temer e Meirelles preparam-se para perdoar 90% da dívida de 900 bilhões que grandes empresas devem ao país, um percentual que financiaria desenvolvimento, educação, saúde. Leia Leia mais

Perdão de 1 trilhão da dívida de grandes donos de terra

E para completar o perdão de 1 trilhão da dívida de grandes proprietários de terra, valor que financiaria o orçamento da educação por 14 anos. Leia mais

Aumentos de até 3000% para mídia aliada

Aumentos astronômicos na casa de milhões-bilhões para veículos de mídia alinhados com a política do governo Temer/PSDB, pode ser lido aqui

Aumento para o Judiciário sem vetos de 41%

Enquanto o salário mínimo o aumento foi abaixo da inflação, aumento esse que havia sido vetado por Dilma antes. Leia aqui.

TERREMOTO POLÍTICO NO MARANHÃO

09/01/2017

Ed Wilson.

Certa vez, saboreando um cozidão no Mercado do Peixe, um amigo cineasta cogitou parodiar Glauber Rocha com o filme “Maranhão 666”. Seria uma película para registrar o fim da era Sarney.

Inspiração há de sobra. Bastou o governador Flávio Dino (PCdoB) tirar férias para tudo acontecer. A terra tremeu de Belágua a São Luís, houve chuva de granizo em Coroatá, o ministro dos Transportes veio anunciar mais dinheiro para a obra da BR-135 e o VLT de João Castelo apareceu apodrecendo no Tirirical.

Por tabela, o Maranhão entrou na pauta da carnificina do presídio do Amazonas, ao ser descoberto o aluguel da casa do comunista Jean Carlos Oliveira para a Funac.

A locação provocou uma nova guerra nas redes sociais, protagonizada pelo presidente do PCdoB e homem forte do governo comunista, Marcio Jerry; e o senador Roberto Rocha (PSB), cada dia mais sedento pelo Palácio dos Leões.

Como se não bastasse, o guerreiro Domingos Dutra (PCdoB), prefeito de Paço do Lumiar, nomeou a esposa Nubia Dutra para uma hipersecretaria, igualando-se, neste aspecto, à maioria dos gestores de municípios maranhenses, onde as cidades são administradas sob interesses familiares.

No Maranhão em transe, já se vive o ano eleitoral de 2018, quando tudo pode acontecer, até mesmo o eterno retorno de José Sarney, porque o sarneísmo está vivinho da silva.

Se a vida imita a arte, o nome completo do filme seria “Maranhão 666: a besta fera da política”

Tivemos uma semana e tanto. E de tudo que se viu nas redes sociais, façamos justiça à melhor tirada – “Chão tremeu quem fez foi Maracanã” – trecho de uma conhecida toada de bumba-meu-boi, do saudoso Humberto.

Eita Maranhão grande!

Lilia Schwarcz e Heloisa Starling falam sobre identidade nacional

04/01/2017

Paula Miraglia e Guilherme Prado.

No segundo vídeo da série sobre os “Temas Fundamentais do Brasil”, a colunista do Nexo e professora de Antropologia da USP, Lilia Schwarcz, e a professora de História da UFMG, Heloisa Starling, conversam sobre identidade nacional, nossa capacidade de conviver e respeitar as diferenças e as implicações para as relações sociais no país

  • Arquivos do blog

  • Siga o GD News no Twitter:

  • Postagens recentes

  • Tópicos melhor avaliados

  • Já visualizaram este blog:

  • Tag

    (in)Justiça Assembléia Legislativa Assembléia Legislativa do Maranhão Blog Blogs Brasil Carnaval Cidadania Cidade de Dom Pedro Cidade de Presidente Dutra Cidade de São Domingos do Maranhão Clã Dias Clã Sarney Combate a corrupção Concurso concurso de Governador Archer Concurso Público Congresso Controle social Corrupção Corrupção Sarney Crônicas Câmara de Vereadores Descaso Direitos Humanos Dom Pedro Educação Eleições 2012 Eleições2014 Enchentes Escravidão Estado FAPEMA Ficção Gestão pública Gestão Vilson Andrade Gonçalves Dias gonçalves dias-ma Governo Governo de Roseana Governo Roseana Greve Greve em Gonçalves dias Greve na SEDUC/MA Humor Inicio Início Justiça Licitação Maranhão Meio Ambiente Melhor governo da vida de Roseana ministério público Novos municípios Oposição no Maranhão Patrimonialismo Política Políticas públicas Professores PT reflexão Região de Presidente Dutra Roseana Sarney Sarney Saúde Saúde pública SEDUC/MA Segurança Pública STF SUS TCE Vadilson Dias vergonha Vergonha Nacional Vilson Andrade