Skip to content

Crônicas – Ficção


O Bem-Amado foi uma série de televisão brasileira produzida pela Rede Globo e exibida entre 1980 e 1984, originada da telenovela homônima exibida em 1973. Escrita por Dias Gomes e dirigida por Régis Cardoso e Jardel Mello.
Enredo: A pequena cidade de Sucupira, na Bahia, é administrada pelo prefeito Odorico Paraguaçu, um político corrupto e ardiloso que se utiliza de artimanhas para conseguir tudo o que deseja. Quando não consegue, manobra a situação de forma que ele sempre se saia bem.

A partir de hoje, iremos estrear uma nova versão da famosa série da Rede Globo, adaptada a realidade local do país chamado Sarneylândia, nos mais recônditos interiores. A cidade se chama Abandonolândia, cidade interiorana que nunca teve muita sorte com seus gestores, estes sempre se inspiram no chefe maior da Sarneylândia, para se perpetuarem no poder, desde sua fundação Abandonolândia só viu uma única família no poder, o clã Díaz, que por meio de pais, mães, tios, tias, primos, primas, sobrinhos, sobrinhas, maridos e esposas, sempre se mantiveram no poder.

A série conta com vários personagens entre eles o prefeito Evadiuce Díaz, sua esposa Maria Desestudiosa Díaz, as irmãs do prefeito como Vaidecofre e Vaidelecitação, dentre muitos outros; fiéis assessores do prefeito, como o secretário Sebastião Carrega-Mala, Francisco da Ventosa, Antonio Meu-Cunhado, Jozé Nopolinho, Doutor Raimundo Al-Saúde-é-minha, dentre outros. Vereadores da bancada aliada ainda há, Tôinho da Potióca, Elefantizângela, Geão da Barcaça, Edessa Que-Enrico, Caio Virou-a-Casaca, Vegeto, Jávirei Gente, Chico Porco e Babão di Mais.

Rivalidade, primeiro capítulo

Era quase meio dia, o Sol estava quente, mas não incomodava aos presentes, principalmente naquela grandiosa data festiva, era dia das mães e desde meia noite que os paupérrimos abandonolândianos eram lembrados com belas mensagens, que ressoavam com a voz pacata da esposa do prefeito a  Maria Desestudiosa Díaz, esta muito empenhada em mostrar ao povo que estava de seu lado, claro que na tentativa de avivar seu nome para o próximo pleito, mas isso é mero detalhe.  A festa foi largamente financiado pelo secretária Vaidecofre, que tinha fama na cidade de ser mão de vaca apenas nos gastos públicos, pois, a farta quantidade de recursos era destinado mesmo à sua conta corrente pessoal. Mas, mesmo assim Vaidecofre, empolgava toda aquela multidão ao lembrar os ricos presentes que seriam sorteados na ocasição, dentre eles estava faqueiros com finos cabo de madeira, preciosos tecidos de chita, chiques latas de plásticos, belos casais de pratos, lindas garrafas de café dentre outras preciosidades.

Naquela manhã o prefeito Evadiuce Díaz, estava muito contente, afinal um evento daqueles iria dar o pontapé inicial e único de sua gestão na cidade, tudo tinha que sair perfeito, afinal de contas o povo lembraria grato de toda aquela manifestação generosa, e isso geraria um dividendo eleitoral jamais visto naquela pobre cidade de Abandonolândia. Já a primeira dama Maria Desestudiosa, acordou com uma sensação ruim, algo dizia a ela que não iria transcorrer bem aquele evento grandioso. Chegando no local da festa, a Praça das Ruínas, no centro da cidade, havia uma multidão como era de se esperar, como sempre o prefeito Evadiuce, sorria de um modo amarelo e tímido, mas, sorria para multidão, tímida e nervosa como era de seu caráter, a primeira dama se aproximava do local, mas era como se ela estivesse indo para forca, tamanho a sensação premonitórias de Maria Desestudiosa.

Ao subir no palanque se encontram todo o séquito dos fiéis seguidores do grande prefeito Evadiuce Díaz, lá estavam presentes as irmãs do prefeito como Vaidecofre, Vaidelecitação; fiés assessores do prefeito, como o secretário Sebastião Carrega-Mala, Francisco da Ventosa, Antonio Meu-Cunhado, Jozé Nopolinho e Doutor Raimundo Al-Saúde-é-minha. Vereadores da bancada aliada estava todos lá, como Tôinho da Potióca, Elefantizângela, Geão da Barcaça, Edessa Que-Enrico, Caio Virou-a-Casaca, Vegeto, Jávirei Gente, Chico Porco e Babão di Mais. De todas essas autoridades, a que mais gerava incomodo na assustada primeira dama, era sem dúvida a vereadora Elefantizângela, esta segundo as más línguas era uma ‘gilete’, que cortava por todos os lados, tanto era situação como oposição; e que segundo a fiel amiga da primeira dama e igualmente babona Maria du Ramo, a vereadora em questão estava tendo um fervente caso com o prefeito Evadiuce, aquilo era de mais para a pobre primeira dama. Talvez por isso a primeira dama estivesse com aquele mal pressentimento. Os longos discursos antes do sorteio dos preciosos presente, estava deixando todos com um mal está danado, principalmente com aquele sol escaldante, depois do longo discurso do prefeito Evadiuce Díaz, em que ele destacava suas proezas em suas intermináveis viagens em prol de mais e mais projetos que alavancariam o crescimento da cidade de Abandonolândia, o povo já estava realmente cansado daqueles velhos discursos, pois esses projetos prometidos nunca eram fielmente cumpridos e quando eram, boa parte do dinheiro iria parar misteriosamente na conta de sua secretária, a Vaidecofre, todos essas maracutaias eram conhecidas pelos pacatos moradores de  Abandonolândia, que viam com ceticismo tais promessas.

Finalmente Evadiuce termina seu longo discurso, e a vereadora Elefantizângela, sagaz como sempre, toma o microfone das mãos do prefeito, aquela cena inusitada enfureceu a primeira dama Maria Desestudiosa, que estava sendo duplamente humilhada pela nada discreta vereadora, além de conviver com a suspeita de traição, agora a vereadora queria literalmente tirar o lugar de direito dela, pois, pela tradição ela seria a segunda a discursar, pois foi ela que organizou todo o festejo. Duplamente ferida em seu orgulho, Maria Desestudiosa, não suportou ver tudo aquilo, o sangue lhe subiu a cabeça, e ela avançou no microfone em que a vereadora declarava suas proezas legislativas na cidade, e ameaçou quebrar o microfone na cabeça da parlamentar caso ela não se retirasse do local, todos tentaram segurar a primeira dama enfurecida, mas, ela se portou como uma leoa na defesa de seu patrimônio político e familiar.

Os cidadãos da cidade que até aquele momento só desconfiavam da desavença de ambas, tiveram a certeza depois da briga em pleno palanque, a partir daquele dia Elefantizângela, pensou duas vezes antes de tomar uma atitude em público, o povo teve assunto para comentar por muito tempo, e logo em seguida foram para casa com os preciosos presentes que receberam no sorteio como: faqueiros com fino cabo de madeira, preciosos tecidos de chita, chiques latas de plásticos, belos casais de pratos, lindas garrafas de café dentre outras preciosidades. Por fim, o prefeito Evadiuce teve certeza que um evento daquela magnitude ficaria na lembrança do povo agradecido de  Abandonolândia.

Desabafos – Segundo capítulo


Enquanto isso na câmara municipal de vereadores de Abandonolândia, a sessão começou de modo bem inusitado, era uma sexta-feira de um dia qualquer do ano de 2010, em uma rara oportunidade em que os legisladores se reuniam, era dia de prestação de contas, estava presentes o dignos vereadores: Tôinho da Potióca, Elefantizângela, Geão da Barcaça, Edessa Que-Enrico, Caio Virou-a-Casaca, Vegeto, Jávirei Gente, Chico Porco e Babão di Mais. Eles discutiam como é que fariam para esconder dos cidadãos abandonolândianos, tudo de irregular da gestão de Evadiuce, mas os interesses alheios ao interesse do povo sempre teimavam em falar mais alto.
Começa a sessão, o presidente Antonio da Potióca, recebe vários oficios, um deles solicitado pelo povo abandonolândianos, a sociedade queria ver em que eram gasto o dinheiro público, porém, não tiveram seus desejos atendidos, mais que isso, foram proibidos de se pronunciarem no plenário a respeito de qualquer assunto referente as contas públicas.

Um dos vereadores, meio que cansados de toda aquela situação, não suportou aquela pressão do povo, o parlamentar disparou _ Todos aqui tem é o rabo preso com esse prefeito, todos estão devendo favores, esses favores são pago com o suado dinheiro do povo abandonolândianos.


Depois de um silêncio sepulcral, o vereador Edessa Que-Enrico (Líder do governo) disparou _ ‘Cala a boca rapaz, todo mundo aqui deve favor sim ao prefeito, o Caio Virou-a-Casaca está devendo até os cabelos da cabeça, por isso desistiu da oposição para poder receber propina; Já o irmão de Caio, o vereador Jávirei Gente, precisa que os contratos com a prefeitura sejam mantidos, principalmente o de transporte irregular de alunos em velhos carros, na mesma situação está o nobre colega o vereador Geão da Barcaça. O ilustre presidente tem contratos milionários para fornecer remédios de péssima qualidade ao município, tudo de acordo com os interesses do secretário de saúde, o cunhado de Evadiuce, Doutor Raimundo Al-Saúde-é-minha. Já a ilustre vereadora Elefantizângela, não pode falar nada, afinal ganhou a concessão do Bar Açude-Quebrado que é público, além do mais, ela tem que guentar as estripulias do irmão Jozé Nopolinho, este faz de tudo para não aplicar o dinheiro público como se deve na secretaria de infraestrutura. O que dizer de vossa excelência o vereador Babão di Mais? Vossa excelência em troca de cuidar das escolas do interior como se fosse um coronel, não pode ver nada de irregular também não! Por fim até eu mesmo devido minhas atividades ilegais que passeiam por todo código penal, vocês acham que nós podemos ou iremos contra aquele que manda na gente? Um prefeito bom desse nunca existiu em Abandonolândia, é bom para nós, portanto é bom para o povo.’ _ Disse sem cerimonia alguma, o vereador Edessa Que-Enrico.

Depois deste desabafo, foi que o ilustre vereador caiu em si e lembrou que estava no plenário da Câmara e que não poderia ter proferido tantas ‘verdades’, mas ele olhou ao redor e não viu nenhum popular.
Iniciando a sessão, logo no primeiro lote das contas públicas a serem analisadas, vem o que não era surpresa para ninguém. Lote 01: Contratos e licitações para fornecimento de combustível e lubrificantes no corrente ano, vencedor: Empresa Cristus & Figos, pai e filho Ltda. Valor do contrato Um milhão de reais.
Veredito do presidente Antonio da Patióca, sobre o primeiro lote _ Meu parece é pela aprovação nobres colegas, lembro a todos que esta empresa é muito idônea, e o prefeito Evadiuce recomendou que as prestações de contas dela, fosse aprovada sem qualquer questionamento, lembremos que esta empresa foi a principal a nos emprestar vultuosas quantias para que pudêssemos comprar nossos preciosos votos, além do mais a empresa pertence a nosso ilustre vice prefeito. Quem aprovar permaneça como está? aprovado por unanimidade!!


Lote 02: Contratos e licitações para o fornecimento de materiais de construção, vencedor: Marido & Cunhado Ltda. Valor dos contratos: Meio milhão de reais.
Veredito do presidente Antonio da Patióca, sobre o segundo lote _ Voto pela total e irrestrita aprovação desta excelente empresa, afinal de contas, sempre que se precisa de insumos agrícolas para minha fazenda eu compro lá, não esqueçamos que a dona da empresa é a ilustríssima irmã do prefeito Evadiuce, a nobre Vaidelecitação. Quem aprovar permaneça como estão? Aprovado por unanimidade!!
No mesmo instante um assíduo cidadão frequentador das sessões da Câmara levanta e pergunta para o presidente Patióca _ Senhor presidente e desde quando parente de prefeito pode assinar contratos com o município? Onde está a impessoalidade que manda a constituição?


O Presidente Antonio da Patióca, bem irritado responde de modo incisivo _ Claro que pode, o que não pode é assinar contratos com quem não se tem amizade segura, cale sua boca ou você será retirado do prédio da Câmara.
Prosseguindo a sessão, abre-se o lote 03: Contratos e licitações para fornecimento de remédios e materiais hospitalares, empresa vencedora da licitação: Laranjal da Patióca S/A. Valor do contrato: Um milhão de reais.
Veredito do presidente Antonio da Patióca, sobre o terceiro lote _ Aprovado, não preciso nem pedir o consentimento dos nobres colegas, todos os contratos foram aprovados por unanimidade!!


Novamente o cidadão que a essas alturas já estava bem irritado com todo aquele disparate, pergunta _ Senhor presidente, mas essa empresa não fica localizada no mesmo endereço que o senhor reside lá no Pior Estado?


O presidente da Câmara, não respondeu, disse apenas _ Ei, Hermano Batizado, ponha aquele cidadão para fora da Câmara, ele atrapalha o desenvolvimento dos nobres trabalhos desta ilustre casa.
Assim o fez o pobre o Hermano, colocou o cidadão para fora do plenário, afinal de contas ele estava atrapalhando o andamento daquele importante dia de trabalho.
Lote 04: Contratos e licitações para reforma e recuperação de estradas vicinais na zona rural do município, empresa vencedora da licitação: Empresa Cristus & Figos, pai e filho Ltda e Só Pedra Ltda. Valor do contrato um milhão e meio de reais.

Parecer do senhor presidente da Câmara, António da Patióca _ Estas duas empresas são de propriedade de nossos amigos, são mais que amigos, são de nossos irmãos credores, tanto do atual vice prefeito, como nosso colega e amigo que já foi vereador aqui também. Quem aprovar permaneça como está? Aprovado por unanimidade!


Lote 05: Contratos e licitações para o locação de veículos para transporte alunos da rede municipal de ensino, Empresa vencedora da licitação: Agiotas de Santo Domingo & Pedro Dórico Ltda. Valor do contrato, Um milhão de reais.
Veredito do senhor Antonio da Patióca _ Manifesto meu total e irrestrita voto de aprovação, afinal de contas esta muito idônea empresa, é que deveria transportar os alunos da cidade, mas, o senhor prefeito Evadiuce deixou bem claro que o contrato com esta empresa irá sanar velhas dívidas, principalmente com esta empresa amiga. Quem aprovar permaneça como estão? Aprovadíssimo!!


E assim, aprovando tudo sem ao menos analisar nada os ilustres vereadores abandonolândianos aprovaram todas as prestações de contas da cidade, pois o prefeito Evadiuce já tinha pré-determinado que as contas fossem aprovadas, porque caso eles tentassem alguma coisa contra sua magnifica gestão, seriam simplesmente os principais lesados com essa insana atitude onde não teriam lucro algum e portanto não poderiam mais arcar com a compra de votos no próximo pleito.

Enquanto isso, Evadiuce se balança bem tranquilo em sua casa, comprada depois que chegou ao poder é claro, neste instante ele se fazia de surdo, pois a ilustre primeira-dama, Maria Desestudiosa desabafa com o seu querido marido _ Evadiuce, nós já estamos a mais de um mês que não fazemos uma única viagem que não seja para a capital da Sarneylândia, isso é muita ruindade sua, você quer todo este dinheiro só para pagar agiotas? Vamos para o Rio, fazer um cruzeiro na região dos Lagos no Rio de Janeiro, não quero nem ouvir desculpas, iremos este final de semana, afinal o que é uma semana no aconchego de um lugar desenvolvido? Nem se compara com este lugar lugar abandonado, que quando chove andamos na lama, quando faz sol ficamos com os olhos cheios de terra, devido o forte vento.

A viagem dos sonhos – Terceiro capítulo

Evadiuce, continuava fingindo que dormia…Maria Desestudiosa desistiu de continuar conversando com seu esposo. Enquanto isso adentra a casa do Prefeito, Antonio da Patióca, este estava ofegante ao gritar _ ‘Evadiuce conseguimos’ conseguimos aprovar tudo por unanimidade.

Evadiuce se limitou a dizer _ Certo, só espero que esta vitória não me saia tão cara, afinal eu tenho outras prioridades para gastar o dinheiro o qual administro em nome dos abandonolândianos.

Antonio da Patióca _ Mas, é claro, sairá bastante barato, basta que você continue nos dando espaço nas licitações e nos contratos do governo municipal, afinal de contas quem se importa se nós estivermos comentendo conflito de interesse e violação de dever funcional? Ou  por que todos os vereadores põem em dúvida a isenção, a parcialidade de fiscalizador, configurando violação a dever funcional? Ninguém, o povo não se importa com o que a gente faz não!!, todos na cidade nos amam por nossos feitos, principalmente depois que você contratou dezenas de pessoas e paga um quarto de um salário mínimo para eles, ficam todos contentes. Isso não é exclusividade sua né Evadiuce? Você andou aprendendo com seu primo e ex-prefeito Ourinho da Ventola, você não inovou Evadiuce!!! 

Evadiuce repreende Patióca _ Deixe de falar besteira rapaz, naqueles tempos realmente um quarto de um salário mínimo não dava para pagar nada, mas naquele tempo a inflação corroía tudo, em nossos dias tudo mudou, mas não esqueça que além deles receberem só essa ninharia para ficarem alegres e satisfeitos, eles ainda assinam que recebem salário mínimo e meio, você está querendo ser candidato a prefeito, então vai aprendendo comigo as artimanhas. Agora, se você me dar licença vou me retirar, tenho outras questões pendentes para ver agora.

Neste instante Evadiuce se levanta de sua rede e vai procurar sua esposa, a primeira-dama que a essas alturas já estava bastante zangada com o esposo, principalmente já pensava no que suas amigas babonas  haviam lhe falado sobre o comportamento do esposo, de caráter inseguro e ciumento-possessivo Maria Desestudiosa estava aos prantos na ampla sala.

Evadiuce diz em tom esperançoso para esposa _ Mas, minha querida, não esqueça os percauços que tivemos que ultrapassar para podermos está onde estamos hoje, não esqueça como era sua vida a menos de quatro anos atrás, onde você tinha que sair vendendo de porta em porta para ajudar nas finanças da casa, não esqueça que nossos amados filhos Pitt Gavriʼel e La-Lorraínne estudavam em escolas públicas mesmo lá na capital da Sarneylândia, mas hoje tem vida de reis, tem tudo do bom e do melhor, mas para continuarmos assim, precisamos está unidos em prol de objetivos comuns, não esqueça que você ainda quer ser prefeita, assim como mamãe um dia foi, por tudo isso acho melhor você melhorar essa sua carinha e engulir este choro inútil, pare de ouvir essas fofocas maldosas, você sabe que tudo isso é uma deslavada mentira. Não esqueça de nosso projeto, lembre-se bem dele, temos que ficar na história da cidade de Abandonolândia, como aqueles que melhor governaram a cidade, não esqueça isso, porque será essencial para que possamos lançar minha candidatura a deputado e você sabe que eu quero alcançar os cargos eletivos mais elevados deste país chamado Sarneylândia. 

Maria Desestudiosa _ Você tem uma lábia que convence qualquer um Evadiuce, não é por meno que ainda tamo casados.

Evadiuce ordena _ Então, cuide em arrumar nossas malas e de Pitt Gavriel e La-Lorraínne, chegou a hora da gente espairecer um pouco vamos fazer uma boa viagem, nós rumaremos para um requintado cruzeiro e as crianças irão finalmente para Orlando, na Flórida lá nos Estados Unidos. Já nós minha querida iremos participar de um requintado cruzeiro pelo Mediterrâneo, passaremos até na ilha grega de Santorini. Já havia sonhado com esta possibilidade há pouco tempo atrás?

Maria Desestudiosa se vira com os olhos esbugalhados e diz _ O que? O que você disse Evadiuce? Não posso acreditar nisso meu querido esposo, finalmente  você vai acatar o pedido das criança, como eu te amo meu querido…Nós vamo até nas Zoropa? Não posso creditar, pode cuidar em mim dar um biliscão pra mim acordar, qui eu to sonhando.

Evadiuce fala todo sorridente _ Ah minha querida, não esqueça que nossa secretária, minha irmã a Vaidecofre é uma excelente contadora, nossa poupança está bastante gorda, você se lembra naquela vez que faltava dinheiro em caixa para pagar o salário de um quarto do salário mínimo para os contratados? Pois é, infelizmente Vaidecofre teve que retirar um pouco de nosso dinheiro de lá, mas, isso são coisas do passado, nessas novas licitações nós apuramos bastante dinheiro, tanto que além de pagarmos nossa cara viagem e dos meninos, ainda vai sobrar muito, mais muito dinheiro estou pensando até em comprar um terceiro apartamento de luxo na capital da Sarneylândia, mas isso resolveremos depois da volta de nosso merecido passeio.

A feliz família embarca muito contente cada um para seu destino, enquanto isso Evadiuce e a primeira-dama se divertem na beirada da piscina no navio, que está ancorado em frente a Ilha grega de Santorini.

Evadiuce fala todo feliz para primeira-dama _ Você ver toda esta beleza minha querida? Pois é, estamos aqui no berço de nossa civilização, veja ali a principal cidade e porto da ilha de Santorini, cuja lenda afirma ser o reino perdido de Atlântida. Localizada na beira daquele penhasco com aquela vista para a cratera da ilha ali, que se chama Néa Kaméni, foi destruída por um grande terremoto em 1956 e reconstruída em terraços nos penhascos, resguardando suas ruelas de pedra. Lindo lugar.

Primeira-dama _ Que lugar mais isquisito Evadiuce, não lembra em nada o lugar onde nós nascemos, não parece em nada com nossa Abandonolândia, esses lugar de gente chique é muito estranho mermo, já pensou se esse vucão acorda? Queria mermo era ver as palmeira daqui…Será que tem Evadiuce?

Sorridente Evadiuce tenta responder Maria Desestudiosa, quando o telefone toca _ Alô, adivinha quem é, minha querida? Sim, são os meninos. Oi, como você está meu querido Pitt Gavriel ? Tá gostando de aí de Orlando na Flórida e a Disney era como você imaginavam meu filho?

Responde o filho pidão _ Oi, papai sim aqui é uma maravilha, nem posso imaginar a comparação com a coitada da nossa cidade de Abandonolândia. Como vocês estão aí nesse cruzeiro neste tal de Mediterrâneo? Olha papai, a  La-Lorraínne é muito teimosa, e gastadeira também, aqueles dez mil doláres que nós levamos não deu nem um assopro, manda mais dinheiro pra gente papai, aqui tem coisa boa de mais pra ser comprada.

Sorridente responde o pai contente _ Eita filhão, bem que sua tia Vaidecofre havia nos avisado, que todo dinheiro no estrangeiro é pouco, pode deixar que eu vou colocar mais uma grana para vocês, mas, toma cuidado para não gastar em bobagem, nós estamos aqui no meio do mar, por sorte você conseguiu esta ligação, qualquer coisa fala com tua tia, que ela libera a grana para vocês…Alô, oi…Caiu a ligação meu amor…

Responde chorosa a primeira-dama _ Oh, mais Evadiuce, quiria tanto falar cum as criança, to morrendo de saudade deles dois. Nem parece que foi onti que a gente saiu de Abandonolândia pra vim nessas Zoropa e eles pra queles Estado Zunido, mais pensano bem é pra a felicidade de nossos filho, né? Eu tenho mais é que mim aquetar, vamo apruveitar nossa viage meu amor, nada de ficar se alembrando desses tempo de vaca maga não. Vamo, cuida em terminar de contar essas históra dessa tal de Atranta.

Mudança Radical – Quarto Capítulo

Enquanto a privilegiada família aproveitava suas merecidas férias a cidade de Abandonolândia estava sob os cuidados de Vaidecofre, esta sempre ciosa de suas responsabilidades sabia que tinha que ser o mais econômica possível quanto aos gastos com a cidade, afinal a conta bancária dela sempre cabia mais um pouquinho de dinheiro.

Ela sempre era assessorada pelo sábio secretário de educação Francisco da Ventosa, este sempre disposto agradar seus fiéis patrões, achava um jeitinho para que a empresa do genro de Vaidecofre vencesse todas as licitações de sua pasta, não era por menos que a empresa Embaixador Distribuidor de Alimentos Ltda, era a única que contratava com a secretaria de educação, nesta dita empresa sempre fazia compras superfaturadas, além de muitas vezes se adquirir uma série de notas fiscais frias, tudo isso feito com o claro intuito de levar para o cofre familiar gordas quantias. Como sempre, Evadiuce se fazia de cego surdo e mudo, frente aos desmandos de sua irmã querida e de seu fiel secretário.

Demorou, mas finalmente eles retornaram para a cidade de Abandonolândia, estavam extasiados de tanto viajarem pela ‘Zoropa’ como gostava de chamar a primeira-dama. Trouxeram na bagagem apenas a certeza que a cidade não poderia cair nas mãos de políticos adversários, afinal aquela boa vida nem sempre foi preexistente ao poder.

Maria Desestudiosa, como não gostava de guardar segredo desabafa para sua fiel amiga, Maria Fofoquinha _ Você sabe Fofoquinha, nos acabamo de chegar dessa tal de Zoropa, um lugar lindo que tem de um tudo por lá, pena que o cruzero não pode ficar mais tempo naquelas ilha, e na verdade como o Evadiuce disse que ali poderia até ter vulcão, fiquei com muito medo. Fiquei pensano com meu botões, como nossa vida tá boa afinal a pouco tempo atrás, nós levava uma vida tão queta na capital da Sarneylândia e dirrepente tudo muda, nosso cumpadi Raimundo Pé-Inchado, fez o que fez com nossa Abandonolândia então você sabe só nos restou mesmo nos canidatar e ganhar a aleição, mas nós ficamo devendo Deus e o mundo, principalmente os agiota dessa região, uma campanha dessa Fofoquinha não é barata não, o povo sempre quer as coisa, então ou a gente dar ou perde tudo. Mas, até hoje tem valido a pena, nós tem uma vida muito boa, nossos filho estudam nos melhores colégio da Capital, o que mais nós pode querer além dessa vida boa?

Maria Fofoquinha responde toda sorridente _ Mais, tem mesmo é que apruveitar, todos que passaram na viúva se fartaram, vocês são os melhores que já passaram por lá, não se preocupem com a língua do povo, tudo um bando de invejoso.

Evadiuce entra na sala e diz a primeira-dama _ Na viagem de volta tomei uma importante decisão minha querida, nós podemos perfeitamente governar a cidade de Abandonolândia a partir da capital da Sarneylândia. Então, arrume nossas coisas, você a partir de hoje será uma mulher estudada, esse cursinho que você fez aqui não vai te servir de nada, por isso você agora vai ser mesmo é doutora, vamos embora para a capital, todos os pepinos da cidade a Vaidecofre descasca pra gente. Lá na capital fica melhor para eu pleitear melhoria para cidade, ninguem pode reclamar de minhas viagens, tão pouco das gordas diárias que eu recebo em serviço, afinal de contas estou tratando dos interesses legítimos de Abandonolândia, por isso qualquer gasto é sempre muito bem empregado.

Desalentada Maria Desestudiosa questiona seu esposo _ Mas, meu quirido lá na capital será que eu acho alguém pra fazer os dever de casa? Você sabe, eu ando muito nervosa, não tenho cabeça pra essas coisa de estudo.

Evadiuce em tom severo preconiza _ Deixe de besteira meu bem, o que o dinheiro não é capaz de comprar? Esqueceu que ele não nos falta? Vamos, tenho várias secretarias a visitar na capital ainda hoje, vamos logo.

Sem muito peso na consciência o casal deixa a cidade e parte rumo a tão badalada capital da Sarneylândia, Evadiuce com a certeza de que pode administrar a cidade em qualquer lugar que chegue para acrescentar em seu já gordo salário muitas diárias; e Maria Desestudiosa vai com o coração apertado, sem saber se realmente vai encontrar uma alma caridosa para fazer ‘suas lições de casa’.

Confissões de um arrependimento – Quinto capítulo

Enquanto o ilustre prefeito de Abandonolândia Evadiuce, efetivamente se evadia da cidade, no pacato município do interior da Sarneylândia, tudo ficava nas mãos de sua ilustre irmã Vaidecofre a pessoa mais sedenta por dinheiro que já se viu na face da terra, na pequena cidade os ex-prefeitos viviam por se lamentar de seu passado inglórios, de modo saudosista o ex-gestor Raimundo Pé-Inchado Caridoso, conversa com sua querida mãe Al-Nazira Caridosa.

Era uma manhã de julho, fazia um frio agradável, mas o ex-prefeito de Abandonolândia, Raimundo Pé-Inchado Caridoso, estava com um aperto na garganta e vai desabafar com sua mãe _ Oh, mamãe, por que será que todo mundo elogia meu compadre Evadiuce? Eu também, já fui prefeito como ele, fiz o mesmo que ele fez, até mesmo fui reeleito, então eu não fui tão ruim assim, né? Mas, hoje me bate uma solidão uma tristeza e uma inveja dele, que só dar vontade mesmo de afundar minhas mágoas na bebida, esta é minha única companhia.

A mãe de Caridoso, a velha Al-Nazira Caridosa se compadece do filho, e lhe dar uns bons conselhos _ Meu filho, você só escuta os conselhos atrasados mesmo, né? Bem que eu te falei para não deixar o poder nas mãos de teu cunhado Maricon e Francisco Sem-freio, mas você nunca ouvia o que te falava, né filho? Hoje seu compadre Evadiuce tem sorte de governar a cidade de Abandonolândia, justamente porque uma das poucas coisas que faz é pagar um salário mínimo para quatro pessoas, você não fazia isso, então o povo se revoltou contra você.

Com os olhos cheios de d’água Raimundo Pé-Inchado Caridoso desabafa pra sua mãe _ Mamãe, a senhora tem toda razão, quando a gente está no poder não pensa que ele um dia vai acabar, mas ele acaba, hoje em dia nem mesmo a minha popularidade seria capaz de fazer eu voltar ao poder, o povo não se lembra das coisas boas que fiz, só lembram das coisas ruins.

A mãe de Caridoso, Al-Nazira Caridosa questiona _ É meu filho, você não seguiu os conselhos, tão pouco foi capaz de fazer o que seu pai Alfonso Juan fez quando era prefeito, nada, absolutamente nada lhe escapava de seu crivo. Você se lembra daquela vez em que o encarregado da prefeitura o Rozé Jacob da Sujeira estava a beira da morte? Você lembra que ele foi pedir perdão a seu pai?

Raimundo Pé-Inchado, responde _ Faz tanto tempo, estou meio confuso, me conte de novo essa história mamãe.

Al-Nazira Caridosa _ Pois bem, o Rozé Jacob da Sujeira estava a beira da morte depois de um grave acidente e mandou chamar seu pai Alfonso Juan, queria pedir perdão por todos os males que tinha feito a ele, naquele dia eu estava lá presente. O homem confessou tantos roubos, tantos desvios que você não pode imaginar, declarou que até as lajotas que eram destinadas ao piso hospital, foram levadas para por na casa nova dele. Seu pai, como você sabe, era um homem que não guardava mágoas, disse ao Rozé Jacob da Sujeira que ficasse despreocupado porque da parte dele não haveria rancor, e caso ele morresse estava mais que perdoado. Tempo depois, Rozé não veio a falecer e seu pai disse pra ele que só havia perdoado aquela quantidade de traições porque pensara que o dito cujo não escaparia.

Raimundo Pé-Inchado, quase chorando responde _ É, mamãe a senhora está mais do que certa eu errei feio com o povo abandonolândiano mesmo, não segui seus sábios conselhos tão pouco me inspirei em papai (Lágrimas escorriam de seus olhos), agora devo me penitenciar, afinal gastamos quase todo nosso rico patrimônio, e gastamos quase tudo no que não devíamos, apesar de estarmos com a mão nas torneiras do dinheiro público não fiquei com quase nada, afinal de contas quem mandava mesmo era o Maricon e Francisco Sem-freio devo me penitenciar, devo até o que eu não tenho para o Tribunal de Contas, politicamente quem eu apoiar não tira nem cem votos, por isso mamãe, senhora sabe vou ter que afogar minhas mágoas, e só tem um jeito é na maldita cachaça mesmo, já que aquelas bebidas caras não me resta dinheiro para comprá-las.

Inconsolada Al-Nazira Caridosa deixa o filho com suas lágrimas _ Eu lhe avisei meu filho, agora você vai ter que colher o que plantou.

Enquanto isso na capital da Sarneylândia, no rico apartamento que estava registrado no nome do tio de Evadiuce, o primeiro casal da cidade de Abandonolândia tem uma conversa um pouco mais agradável.

Evadiuce _ Minha querida como vão suas aulas lá na Faculdade mais cara da capital? Tem aprendido direitinho em seus estudos?

Maria Desestudiosa, meio que chorosa responde _ Meu quirido, enquando você se diverte aqui em casa e passeando por outras região, eu não tenho sussego nesta minha vida de dona de casa e premeira-dama, os menino dão trabalho de mais, são rebelde, não me atende, vive arrumano briga no colegio, todo dia é uma ligação nova dos professor deles. Isso tira minha concentração, não tenho cabeça pra estudar não, agora mermo to cum uma pilha de atividade pra fazer, mais quem te disse que eu sei? Esse negoço de estudar é pra quem tem tempo e cabeça, já eu num tenho não meu amor, num sei se esse negoço de ser dotora dar certo pra mim não.

Irritado Evadiuce determina _ Pois não se preocupe, vamos dar um jeito nesta situação, procure seus colegas que são mais inteligentes, e pague pra eles fazerem suas atividades e pra eles te auxiliarem na hora das provas. Tá aqui o cheque da prefeitura de Abandonolândia assinado, no lugar dos valores está em branco, quero só ver qual será sua desculpa agora, nós temos que ter diplomas, afinal todos os meus sobrinhos já tem dois ou três, e você tem que seguir o mesmo caminho, tem que ser doutora!!

Enquanto Maria Desestudiosa tem mais um alento em sua árdua tarefa de ser doutora, já na cidade de Abandonolândia a irmã do prefeito a antipática Vaidecofre, cuida das finanças familiares, ela trata com muito cuidado todo o processo de licitação, afinal de contas as únicas empresas que podem vencer o processo são as empresas amigas que pagarão gordas propinas para ser colocadas nos cofres familiares. Assim a vida na pacata cidade de Abandonolândia segue seu rumo, onde as perspectivas de futuro decaem mais a cada dia, seu povo vive pacientemente seu destino como se fossem obrigados a continuarem naquela mesmice.

Ameaça de rompimento – Sexto Capítulo

De modo saudosista o abandonolândiano prefeito Evadiuce acordou em pleno meio-dia como já era de praxe, ele estava bastante pensativo, como de costume e introspectivo sentou-se na varanda de seu rico apartamento, este que tem escritura em nome de seu querido tio. A brisa do Oceano Atlântico era inspirador, mais que isso o ajudava a recordar o quanto ele batalhou para chegar até onde estava. Ele lembrava especialmente das concorridas eleições o qual havia participado, onde deu uma trabalheira danada, principalmente porque seu nada querido compadre Raimundo do Pé-Inchado, estava querendo levar de novo seu sucessor ao poder, nas convenções ele lembrava das tentativas de Chico Porco pertencente a seu partido da base querendo sair candidato também, mas apenas ele queria se arriscar na aventura de conseguir chegar até oPalácio das Ruínas.

Todas aquelas lembranças de Evadiuce faziam ele quase chorar, quando ele relembrava que até seu vice não ajudou muito no processo de ‘conquista’ dos eleitores, afinal de contas Cristus Requeira das Raposas era igualzinho a umaex-primeira dama abandonolândiana a Otília Márcia-Megera da Silva, estanunca falava com os pobres, e quando estes iam ao Palácio das Ruínas eram escorraçados do local, logo em seguida tudo era desinfetado com álcool. Caro custava a Evadiuce explicar a ausência de seu temido vice nos eventos de campanha, mas nada que sua lábia não convencesse os incautos moradores de Abandonolândia.

Mesmo com todos esses percalços o prefeito estava satisfeito afinal de contas com ou sem o dinheiro do vice, emprestado a peso de ouro ele conseguiu se eleger, juntamente com os empréstimos adquiridos com Petrus Dórô, quem tivesse as chaves do cofre do Palácio das Ruínas em breve poderia saudar aqueles débitos, era apenas uma questão de tempo.

Embebido em todas aquelas lembranças Evadiuce se espantou com a ligação de sua querida irmã Vaidecofre, aquela que respondia por ele em suas costumeiras e constantes ausências em Abandonolândia _ Alô, sou eu o Evadiuce, pode falar minha querida Vaidecofre.

Vaidecofre _ Meu irmão querido, você precisa vir para Abandonolândia o quanto antes, vamos abrir várias licitações e só você vai poder barrar a cede insaciável de meu nada querido genro Cristus Requeira das Raposas, ele quer ficar para fazer todas as obras da cidade, até aquela ponte que nós pretendíamos dividir os ganhos com o Rozé Jacob da Sujeira, ele quer ficar com tudo. E você sabe que apesar de relutante, nosso caixa tem que encher, afinal de contas meu genro não paga nosso caixinha de 25% como as demais empresas sempre pagam, ele vai querer descontar tudo nas velhas dívidas ainda das eleições.

Evadiuce _ Não podemos permitir isso, onde já se viu? Ele quer ficar com tudo como sempre quis, mas para isso vai ter que esperar ser eleito na próxima eleição, como já havíamos acertado. Agora quem manda sou eu e ninguém vai ficar com meus 25% não, que são meus, só meus!!!

Sem muita demora Evadiuce entra em seu luxuoso carro comprado recentemente à vista, e segue para Abandonolândia, vai pensando em apenas uma coisa, como dissuadir de que seu vice  Cristus Requeira das Raposas, deixe suas preciosas porcentagens de 25% em seu gordo caixa. Chegando a cidade, Evadice segue direto para onde se encontrava Cristus, e dispara de modo incisivo _ Caso você não deixe meus 25% pode esquecer!! Você não vai ficar pra dizer que vai fazer obra nenhuma, se não fizer o pagamento como todos meus amigos que contratam fazem, você ficará sem nenhuma obra, nenhuma ouviu bem? E pode ir esquecendo de igualmente de meu apoio para te eleger, com a fama que seu pai tem, acho difícil de que sozinhos consigam!!!

Cristus Requeira das Raposas _ O que é isso rapaz? Somos companheiros lembra? Foi bem minha sogrinha que foi fazer mexericos, que mulher ambiciosas!!!

Evadiuce _ Vai pagar meus 25% ou vai querer ficar sem apoio algum na próxima eleição? Como você sabe nosso acordo só será cumprido se você colaborar. Nosso acordo é claro, vou apoiar você na concorrência ao Palácio das Ruínas independentemente de qualquer concorrente ou mentira que soltemos para enganar o povo besta, mas para isso você tinha que ficar quietinho em seu canto junto com seu pai Pedra das Raposas.

Cristus Requeira das Raposas _ Você me venceu, as eleições que virão são muito importantes não posso perder de vista seu apoio, afinal de contas você tem as chaves do gordo cofre de Abandonolândia. Pagarei seus 25% de ‘comissão’, mas não garanto de entregar nada feito não!

Evadiuce _ E quem se importa com obras feitas ou não? Eu conheço bem o meu povo, nunca vão levantar a voz contra mim. Vamos cuidar em arrumar logo a papelada, o prazo está acabando.

Preocupações crescentes – Sétimo capítulo


Era um final de tarde qualquer e Evadiuce como já era de costume estava na capital da Sarneylândia, pois ele já tinha ido passear por Abandonolândia sua única vez por mês por aquelas terras abandonolânicas, sentado em sua varanda estava ele muito nervoso tentando se acalmar vendo a brisa do mar bater em seu rosto, mas caso ele não desabafasse com alguém aquela angustia não passaria, então ele saiu a procura de sua confidente, sua amada esposa Maria Desestudiosa, ao encontrar-la Evadiuce foi direto _ Minha querida Maria, estou com a cabeça quente aqui, depois que recebi uma ligação do Antonio da Patióca.

Maria Desestudiosa _ Mais o que ele te disse, num mim deixa mais aflita do coração?

Evadiuce desabafa _ Ele me disse algo que está me deixando perturbado, ele juntamente com minha base aliada na Câmara estão querendo aumentar a porcentagem da propina que eu já pago todos os meses, eles querem mais dinheiro para ficarem calados, tudo porque estão sendo pressionados pelo povo de Abandonolândia.

Maria Desestudiosa _ Cuma assim? Num intidir o pur quê deles querer fazerem isso contigo meu amor, mim explica esse negoço direito?

Evadiuce tenta explicar _ é o seguinte Desestudiosa, os vereadores estão sendo pressionados pelo povo, tudo por que meus irmãos e cunhados tem demonstrado claras exibição de riqueza, o povo não é besta minha querida, quando eu vou lá, uma vez por mês, tento por todos os meios possíveis falar que a cidade é pobre e não tem recursos para se manter, eu choro miséria mesmo para que o povão me deixe em paz, mas quando essas pessoas vêem meus parentes demonstrando riqueza, fica dificil de acreditarem no meu discurso de choro, sem falar nas notícias divulgadas na internet, que tem me dado uma dor de cabeça tão grande.

Maria Desestudiosa pergunta mais confusa ainda _ Meu amor, eu tô teno muito trabalho na faculidade, estou meia istressada, num to conseguinu intender direito esse negóço, o que tem os vereadores que a ver cum nossos parente e a gente?

Evadiuce quase sem paciência tenta explicar _ Você precisa se concentrar mais nas coisas, afinal você quer ou não ser prefeita de Abandonolândia, assim como foi minha mãe? Olha, os vereadores tem o poder de me fiscalizarem, certo? Se o povo se unir e forçar a barra eles vão tornar público todas as maracutaias que a gente faz na prefeitura, eles podem mesmo contra a vontade nos tirar o poder, entendeu? Eles tem todo este poder nas mãos, só que como eu pago gordas propinas para eles, daí fica difícil deles fazerem qualquer coisa contra meu governo. E meus parentes, será o que eles tem feito? Tem dado óbvias demonstrações que estão por cima da ‘carne seca’, eles como você sabe, sempre foram pobres lascados, assim como a gente, e você sabe pobre quando se acha com dinheiro vai logo querer mostrar que tem, mas só que eles estão ultrapassando todos os limites aceitáveis, está dando na vista, o povo está percebendo que meu discurso de pobreza não é lá digno de crédito, estou muito nervoso com essa situação.

Maria Desestudiosa _ Ah sim, agora eu to entendeno mais um poquim, mais num se procupa não meu quirido, a gente vai dar um jeito nos meus cunhados e concunhados, ah si vamo.

Evadiuce continua a desabafar _ Você sabe Desestudiosa, apesar de ser plenamente favorável que meus parentes formem um bom patrimônio com minha ajuda e da prefeitura é claro, no que depender de meu apoio eu vou ajudar, afinal de contas são meus parentes, se eu não os ajudar quem vai, não é mesmo? Mas, eles estão com muita vontade de enricar rapidamente, um bom exemplo é minha querida irmã Vaidelecitação junto com seu esposo Rozé da Graça Babosa, meteram a mão no dinheiro foi com vontade mesmo, você sabe querida, há menos de seis anos o meu cunhado tinha apenas um minúsculo sítio de pouco mais de trinta hectares, mas agora ele é dono de uma grandiosa fazenda de mais de dois mil hectares de terras, mais de 400 cabeças de gado, um grande caminhão, terrenos em quase todas as ruas da cidade, casas em várias ruas, vários pontos comerciais,  isso é apenas o que eu sei, mas o povo  já estão de olhos arregalados em sua fortuna repentina. E minha querida irmã, a Vaidecofre? Esta não fica atrás do meu cunhado Rozé da Graça Babosa, ela comprou aqui na capital um apartamento Cohafuma no valor de pelo menos R$ 150.000,00 mil reais, sem falar no rico apartamento ali no bairro vizinho do Altos do Calhau no valor de mais de R$ 300,000,00 mil reais, agora ela comprou umas terras na mão de nossa cunhada viúva e vai construir lá um condomínio fechado para locar as casas, além do mais ainda tem o sítio no Açude Quebrado, sem falar em vários carros que ela andou comprando para ver se aprende a dirigir, mas o pior de tudo foi dia desses quando eu vi um estrato da conta corrente dela, valores que passavam de nove dígitos, fiquei de boca aberta. O que me assusta é o Raimundo Al-Saúde-é-minha, ele tem comprado vários lotes de terras na cidade e até agora mora de aluguel, mas ele não é nada bobo não, tem uma boa conta bancária. Eu mesmo não faço nada sem me precaver, há menos de seis anos você sabe muito bem como nós passávamos privações devido a falta de recursos, mas hoje a gente tem este apartamento amplo, temos mais outro no Calhau, a nossa casa em Abandonolândia, nossa frota, mas como você sabe eu não sou besta, tudo está em nome de meu querido tio paterno, não posso levantar suspeitas no povo e nem no fisco.
Me assusta muito ver o povo sendo informado das coisas que a gente faz, eu até que tento abafar tudo, mas vez por outra a situação fica complicada, eu mesmo chorando miséria ao povo e meus parentes me desmentindo, o que você me aconselha meu bem?

Maria Desestudiosa _ Você sabe eu nunca gostei de num ter nada ni meu nome nem um carrim, mais deixa prá depois, eu ando em semana de prova, neste caso agente ia ter que pagar uns extra mais gordo ainda pra os professor me venderem um sete lá na faculidade, só se você pagar as prova é que a gente corre agora pra Abandonolândia, o que você mim diz?

Evadiuce _ Você sabe, eu não gosto daquela cidade que não tem brisa do mar, tem buraco e tem poeira e tem calor, mas para conter o avanço desta rebelião que tenta se levantar me cabe correr antes que este incêndio se alastre, vou oferecer o dobro de propina para minha base aliada na câmara de vereadores, eles são fiéis amigos, mas neste caso a compensação tem que ser a altura da situação. Quanto a suas provas, não se importe no dia das provas a gente manda um cheque em branco da prefeitura para que os professores preencham com o valor que desejarem, afinal eu hei de fazer você uma doutora, arrume as malas, vou ter que passar ao menos dois dias na cidade, já estou vendo o grande sacrifício.

Sem muita vontade de sair de seu amado apartamento, Evadiuce se ver forçado a ir abafar o fogo da discórdia espalhado por seus parentes que mandam e desmandam em Abandonolândia.

Acordo é acordo!!! – Oitavo Capítulo


 

Ao chegar em seu breve passeio por Abandonolândia, Evadiuce se ver em um grande furacão, principalmente porque seus cupinchas e aliados já começaram a tratar das questões sucessórias mesmo com grande antecedência. Evadiuce como de costume, chegou com a cara fechada, sem transparecer muito a seus correligionários suas intenções, Evadiuce vai tirar um longo cochilo para descansar da estafante viagem.

Ao acordar no final da tarde, Evadiuce já tinha a resposta na ponta da língua, afinal de contas, os acordos para a sucessão já estavam engendrados há mais de sete anos, antes mesmo da primeira posse o acordo entre Evadiuce e Cristus Requeira das Raposas com seu pai Pedra das Raposas eram bem claros, Cristus seria apoiado como candidato único e ponto final. Evadiuce sabia que não poderia desgostar a quem tanto temia como Pedra das Raposas, afinal de contas como o próprio sobrenome diz o sujeito era uma verdadeira raposa não só esperto como valente.

Evadiuce tinha um plano infalível para não desgostar nenhum de seus importantes aliados, ele maquiavelicamente bolou um plano que seria sua salvação, e qual seria o plano? Jogar a  ‘bola’ das decisões para o povo, ou seja, diria a todos os seus correligionários que ele apoiaria o candidato que estive melhor cotado como de preferência do povo. No fundo, no fundo Evadiuce sabia que tinha mesmo que apoiar era o clã das Raposas, afinal de contas ele temia ganhar algumas mordidas delas.

Como um político maquiavélico bem ao estilo abandonolânico, Evadiuce ganhou uma sobrevida em seu precioso sossego, pois ele passou a missão a todos os seus amigos candidatáveis, que simplesmente se virassem em prol de conseguirem ‘fama’ e ‘nome’ para se lançarem candidatos, sendo assim Evadiuce ficaria em paz com sua consciência e ainda se veria livre da pressão de seus amigos, então bastante zangados. Mas, quando Cristus Requeira das Raposas, ficou sabendo da jogada de Evadiuce, se sentiu deveras traído, afinal de contas Cristus achava que seria candidato único, sendo o responsável pelo encaminhamento do terceiro mandato de seu antecessor, Cristus esbravejava _ Acordo é acordo!!! Você esqueceu que eu só me aliei a você há sete anos atrás porque você me garantiu que eu seria candidato único? Isso é traição, é traição!!!

Evadiuce _ Não tem nada de traição não!! Meu caro Cristus, entenda, isso tudo é apenas uma grande jogada maquiavélica, aprenda comigo meu vice, eu apenas coloquei panos quentes na situação, pois todas essas pessoas de nosso grupo queriam ser candidatos, eu dizendo que vocês vão ter que sair em busca de apoio será mais fácil enganar todos eles e ao povo é claro! Eles vão se aquetar quando perceberem que eu estou dando a chance de cada um se sobressair a você, no fundo, no fundo eles ficaram apenas com a mera esperança de ser o teu vice!!

Cristus Requeira das Raposas _ Então seu maquiavélico você está apenas enganando esses pobres diabos?

Evadiuce _ Claro, afinal de contas acordo é acordo, jamais contrariaria você ou a seus pai Pedra das Raposas, aprenda comigo Cristus, aprenda…

Com um sorriso no rosto Cristus suspira _ Não vejo a hora de assumir…, não irei na casa de ninguém pedir votos, não sei disfarçar meu desprezo por pobre, odeio esta cidade pequena, mas ela será o trampolim que me levará até voos mais altos e preciso dela, mas juntarei bastante dinheiro como você fez Evadiuce, para poder financiar futuras campanhas, principalmente quando eu abocanhar todas as licitações da cidade, mas ao contrário de você que fica com apenas 25% do dinheiro das obras, eu ficarem com pelo menos 40%!!!

31 Comentários leave one →
  1. Júnior permalink
    09/05/2011 09:01

    PARABÈNS!!! muito interessante. Essa Crônica me lembra um lugar muito familiar (KKK).
    Mas essa situação lastimável ocorreu realmente? Pois parece pegadinha..
    abço!

    • 09/05/2011 09:12

      Você quer nos colocar numa situação complicada(risos), em todo caso quando falar com alguém da cidade Abandonolândia pergunte por este acontecido…Somos gratos pela participação.

  2. clarachinesa permalink
    12/05/2011 16:19

    bem que a vereadora falou : se a fila consegue e a be porque não vou. e par consolo da sduas citadoas não fique preocupadas voces não foram as pioneiras em destruir lares v quanto mais em se tratando de prefeito e vice prefeito
    vamos os fatos:pra começar apenas dona florisce teve sucesso nesta vida de casda primeira dama o restante perderam os preciosos maridos domingo deixou dona doara por a joao a mulher fiel epor celia e os demais que se separaram não foi por motivo diferente e essa doença vai longe contagia ate vice prefeito e secretarios tais como …. então o gd noticias chegou tarde porem pode evitar mais separçoes se ficar atento aos traidores ou traidoras de modo geral não precisa ser apens politico pode ser professoras professor e etc

    • 12/05/2011 16:50

      Você se equivocou bastante minha cara, esta pequena crônica se refere a uma cidade fictícia que é Abandonolândia, quanto ao resto fica a seu critério interpretar do modo que assim desejar.
      Somos gratos pela participação.

  3. meires ramos permalink
    13/05/2011 12:46

    oi meu nome é Meires Ramos cpf 46644709320 rg 1354 688 voce me conhece. vejo que ficou magoa perdão de coração.

    • 13/05/2011 16:26

      Mágoas? Este pequeno texto é obra fictícia, ela sempre será acrescentada aos finais de semana…Somos gratos pela participação.

  4. Júnior permalink
    16/05/2011 09:05

    Excelente! esse 2º capítulo ficou demais… nada melhor do que mostrar a verdade nua e crua, eu tenho pena dessa cidade de abandonolandia, mas é assim mesmo, parce que é a volta da censura, e as verdades são ditas na maior cara limpa. é um desrespeito enorme!
    Pelo visto, vcs poderão investir na publicação de revistas (mormente desse tipo de crônica) que não sobrará uma sequer nas bancas.

    • 16/05/2011 09:31

      Estas ficções são arte e obra do acaso, apenas o acaso nos inspira…Para publicar um folhetim tem que haver um grande patrocinador…(risos)

  5. Júnior permalink
    17/05/2011 09:48

    Quem sabe esse tal de Evadilse não patrocina (hehehe). Ele fará questão de mostrar ao público
    sua administração “maravilhosa” em revistas, como já tem feito (só que mostrando o outro lado da moeda, notícias trazidas para a enganação do povo). To ansioso pelo próximo capitulo, mas já tenho minhas previsões do que virá.

    • 17/05/2011 10:05

      Mande sugestões, quem sabe alguma cena poderá ser contemplada…

  6. joão permalink
    17/05/2011 11:49

    Toda a equipe do blog está de parabéns.

    • 17/05/2011 12:10

      Somos gratos pelos elogios, infelizmente as custas da pobre cidade de Abandonolândia…Participe sempre.

  7. Júnior permalink
    17/05/2011 14:08

    Eu gostaria de saber quem foi o vereador que foi descrito no trecho seguinte da crônica: “Um dos vereadores, meio que cansados de toda aquela situação, não suportou aquela pressão do povo, o parlamentar disparou: ‘Todos aqui tem é o rabo preso com esse prefeito, todos estão devendo favores, esses favores são pago com o suado dinheiro do povo abandonolândianos”. Quem foi essa criatura consciente? é preciso mostrar tbm essas pessoas.
    Quanto às sugestões, vou pesquisar antes de mandar..
    abrço

    • 17/05/2011 16:54

      Foi o vereador Vegeto, somos gratos pela participação.

  8. Gilberto permalink
    17/05/2011 16:54

    IMpressionante o trabalho de vcs! A verdadeira oposição chegou.Espero que ano que vem este canal de manifestações esteja bem vivo!

    • 17/05/2011 16:58

      No que depender da vontade do prefeito não estaria mais, estamos firmes embora esta pequena obra seja meramente uma crônica fictícia. Ano que vem estaremos aqui, se o Pai nos permitir. Somos gratos pela participação.

  9. Júnior permalink
    22/05/2011 17:35

    É desse jeito mesmo…enquanto essa galera brinca, a cidade vai se deteriorando..
    É uma covardia!

  10. Júnior permalink
    05/06/2011 11:21

    Excelentes essas crônicas…
    me acabo de rir, principalmente da árdua rotina da maria desestudiosa, que por sinal esse nome lhe cai mto bem.

    • 05/06/2011 11:23

      É, pois é esta gente não se emenda caro Júnior, mas nada que o dinheiro não pague, né?
      Somos gratos pela participação.

  11. Neto permalink
    08/06/2011 11:21

    êta!!

    • 08/06/2011 12:17

      Como o pensamento desses humildes escritores deste blog são capazes de ficcionar tamanha novela, não é mesmo caro Neto?
      Somos gratos pela participação.

  12. TELEPESQÜÉTICO permalink
    18/06/2011 17:05

    Caramba, passei um tempo longe da realidade acima para poder sobreviver. Para falar a verdade, sou sem esperança desse caos administrativo em Abandonolândia ser dirimido. Cheguei, outrora em um espaço semelhante a este, expor comentários sobre os podres abandonolânicos, no entanto, fiquei desmotivado quando fui ver de perto a patota de políticos se perpetuarem no poder nas eleilções pretéritas.

    • 18/06/2011 17:16

      Somos gratos pela participação.

  13. sei quem é tu permalink
    23/06/2011 15:58

    o caba dono desse blog é la da rua do lucena, mininu
    posso fala teu nome? KKKKKKKKKK

    • 23/06/2011 17:29

      Suas certezas parecem tolas de mais, você refere a qual morador(a)? A Maria do Amparo ou ao Relve Sobreiro? A Adriano Sá ou Ronaldo Costa? A Wabster Krause ou Nelson Vilar? A Jacion Parente ou Elson Lima? Gilmar Batista? Vilson Andrade? Família Barros? Yanamara Batista? Robson Lima? Leo Viana?
      Pelo visto suas dúvidas aumentaram não é mesmo?
      Lhe daremos uma dica, nosso IP está aí de teu lado na coluna da direita, confere se não é o mesmo neste link: http://whatismyipaddress.com/ip/74.200.244.59

      Confere lá embaixo no link, que vais ter uma boa surpresa.

  14. Nelson Villar permalink
    03/07/2011 20:38

    Prezados Srs.(as)
    Relendo estas crônicas não entendi a conotação da dúvida com meu nome,,já que, até então sou apenas mais um leitor deste blog. Acho que vcs, como estão fazendo um trabalho jornalístico deveriam se nominar neste Blog, assim como todos os jornalistas fazem. Uma vez que não moram ou moraram nesta cidade não correm nenhum risco de retaliação por parte daqueles que não querem que se fale a verdade. Acho o trabalho de vcs importante. Mas a partir do momento que se coloca dúvidas e/ou entrelinhas perde-se um pouco a credibilidade, mesmo aqui em crônicas de Ficção. Tá ficando chato e ridículo, levar a fama de dono deste blog; sou Empresário, tenho uma vida pacata e pública, tmb fazedor de opinião em horas vagas, mas não tenho talento para tal. Sei o papel de vcs e continuem trabalhando. Diria que vcs deveriam divulgar os fatos com isenção, e se identificarem neste Blog, todos fazem isso e nada acontece, porque apenas divulgam os fatos não é mesmo? A constituição tá ai; há liberdade de expressão. Contudo, que um não pode de sobremaneira prevalecer, ou sobrepor ao direito do outro.
    Cordialmente
    Nelson Villar

    • 03/07/2011 20:55

      Tendes razão caro Nelson, apenas relembramos àqueles que tem gana de nos calar, que nenhuma das pessoas citadas acima fazem parte direta ou indiretamente desde espaço, só isso nada mais, inclusive ainda no início do ano lhe enviamos um email pedindo desculpas por qualquer transtorno que tivéssemos causado a sua pessoa e reiteramos este pedido de desculpa em público novamente.

  15. Júnior permalink
    07/07/2011 14:56

    Essa dúvida ainda vai persistir por um bom tempo, creio eu.
    Eu até entendo a situção de vcs, mas de fato mtos já foram citados como intermediadores de noticias desse blog. Tá parecendo aquela novela:” A próxima vítima”. Essa dúvida até que eh boa, principalmente para os curiosos da administração atual..rsrs

    • 07/07/2011 17:03

      Se os ‘escolhidos’ do qual citamos acima fossem os os respectivos autores, os nomes não constariam em tal listagem, já que se prima tanto por tantos segredos, não concordas? Somos gratos por sua participação.

  16. MAXYMUSS DP permalink
    03/02/2012 10:25

    FANTÁSTICO! TODAS AS CRÔNICAS SÃO MUITO BEM ELABORADAS, OS PSEUDÔNIMOS SÃO ILARIANTES E AS SITUAÇÕES INCRIVÉIS. É CAROS COLEGAS, TUDO ISSO SERIA MUITO ENGRAÇADO SE NÃO FOSSE TRÁGICO, AS SITUAÇÕES EXPLORADAS SÃO BASTANTE FAMILIARES, DIRIA ATÉ BEM PRÓXIMAS DA NOSASA CALAMITOSA REALIDADE À QUAL ESTAMOS SUBMETIDOS, AQUI EM DOM PEDRO TEMOS PERSONALIDADES QUE ” ATUAM ” NA NOSSA REALIDADE POLÍTICA TANTO QUANTO SEMELHANTES ÀS DE ABANDONOLÂNDIA, ALIÁS ESSE NOME VEIO BEM A CALHAR. CAROS AMIGOS OBRIGADO PELO ESPAÇO, ABRAÇOS.

  17. hjdhfjdshfjhdj permalink
    21/04/2012 19:47

    Realmente esse blog faz uma real crtica da situaçao da cidade, ela esta totalmente abandonada, a cidade esta toda esburacada, nao tem linha de onibus interubano, saúde precaria, é preciso ter dinheiro para viver nessa cidade?,pois so quem tem dinheiro é bem visto, pois é uma cidade pobre. A populaçao deveria se dar valor, pois esse quadro de calamidade e desrespeito do prefeito pela cidade que ele nasceu, nao vai mudar….entao deixo uma sugestao ao dono desse blog, muda a atitude de fazer critica, pois atravez de anonimato nao vai adiantar,vamos as ruas, mostrem que querem uma cidade melhor,( lembram do ipitima do color, assim tem resultado) o prefeito nao ta nem ai pra essa cidade, ele quer mais é encher a sua conta bancaria com o dinheiro nosso e ajudar sua familia…..DIGA NAO A CORRRUPÇAO!!!!!!

Comente veja mais tarde a resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Arquivos do blog

  • Siga o GD News no Twitter:

  • Postagens recentes

  • Tópicos melhor avaliados

  • Já visualizaram este blog:

  • Tag

    (in)Justiça Assembléia Legislativa Assembléia Legislativa do Maranhão Blog Blogs Brasil Carnaval Cidadania Cidade de Dom Pedro Cidade de Presidente Dutra Cidade de São Domingos do Maranhão Clã Dias Clã Sarney Combate a corrupção Concurso concurso de Governador Archer Concurso Público Congresso Controle social Corrupção Corrupção Sarney Crônicas Câmara de Vereadores Descaso Direitos Humanos Dom Pedro Educação Eleições 2012 Eleições2014 Enchentes Escravidão Estado FAPEMA Ficção Gestão pública Gestão Vilson Andrade Gonçalves Dias gonçalves dias-ma Governo Governo de Roseana Governo Roseana Greve Greve em Gonçalves dias Greve na SEDUC/MA Humor Inicio Início Justiça Licitação Maranhão Meio Ambiente Melhor governo da vida de Roseana ministério público Novos municípios Oposição no Maranhão Patrimonialismo Política Políticas públicas Professores PT reflexão Região de Presidente Dutra Roseana Sarney Sarney Saúde Saúde pública SEDUC/MA Segurança Pública STF SUS TCE Vadilson Dias vergonha Vergonha Nacional Vilson Andrade